Por onde anda a União da Juventude Jacobina (UJJ)?

Fórum da Ocupação, 07 de janeiro de 2008

Em 2007 apareceu o movimento mais anarquista, irreverente e irônico do Movimento Estudantil da USP: União da Juventude Jacobina — UJJ.
Como toda boa sátira, brincando dizia verdades.
Se alguém souber por onde anda a UJJ, por favor, peça que contatem este blog. Este espaço está franqueado para os affiches da União da Juventude Jacobina.
Aproveitamos e reproduzimos o primeiro affiche oficial da UJJ, que saiu imediatamente após a ocupação da Reitoria, desvendando graves acontecimentos que envolveram o clero e a nobreza.

ujjafiche.gif
A GUILHOTINA
Um jornal atemporal
União da Juventude Jacobina

“Numa polis bem constituída, todos correm para as assembléias; sob um mau Governo, ninguém quer dar um passo para ir até elas, pois ninguém se interessa pelo que nelas acontece, prevendo-se que a vontade geral não dominará, e porque, enfim, os cuidados domésticos tudo absorvem (…) Quando alguém disser dos negócios do Estado: ‘Que me importa?’ — pode-se estar certo de que o Estado está perdido”.

Jean-Jacques Rousseau

Jacobinos e jacobinas!

Nas recentes mobilizações estudantis, o antigo-regime do ME foi posto em xeque; as decisões e manobras partidárias sofreram fortes abalos, mas ainda são uma ameaça ao processo revolucionário!

Algumas reflexões: o famigerado “Dia do Pula Pirata”
Certos episódios ocorridos durante a ocupação da Bastilha já entraram para a história do M.E. O mais famoso e triste ficou conhecido como “Dia do Pula Pirata”. O clero tentava de qualquer maneira sair da ocupação. Mais precisamente desde o terceiro dia de ocupação, já tentavam de todas as formas minar o movimento que cada dia ficava maior; desejavam capitalizar em cima de uma suposta vitória sobre a Nobreza. Após dias de conflituosas discussões, ofensas e desqualificações, o clero recebeu a visita do Papa Zé Maria XVI que, ao rodar a roda mística da correlação de forças, percebeu a importância que este movimento representava e no potencial de arrebanhar cordeiros para o seu rebanho caso a postura dos clérigos mudasse em favor do crescente movimento.

Através da Bula Papal publicada no 22 floreal de 218, a orientação dos clérigos mudou repentinamente. Em assembléia (representados pelo aspirante a Bispo, noviço Gabriel), pateticamente pediram desculpas pelo comportamento que tinham tido até aquele momento. Tarde demais. O povo não se dobrou e, mais uma vez, impôs uma derrota moral ao clero.

A realeza e o medo da Declaração dos Direitos dos Homens
A realeza, percebendo que havia perdido o controle sobre a turba enfurecida que começava a buscar novas formas de ser organizar, começou uma verdadeira campanha de ameaças e desqualificações. Entrou para ao anais da história a celebre frase da Rainha Sol: “Eles são vazios politicamente, que comam brioches!” ou mesmo quando defrontada com o povo sedento por transformações, tentou acalmar os ânimos lendo uma carta do Conde de FFLCH, Gabriel Cohn, e foi imediatamente rechaçada.

Diferentemente do clero, não houve consenso na realeza sobre o que realmente estava acontecendo, e agarrada a seus supostos privilégios, sucumbiu frente a força do povo.

A Bastilha foi desocupada: e agora?
Caros jacobinos e jacobinas: a revolução não terminou. É fato que devemos ficar atentos aos ataques da gironda, mas também a possibilidade da organização de um movimento de restauração. Vislumbrando isso, a UJJ (União da Juventude Jacobina) convoca todos aqueles simpáticos a causa Jacobina para a 1ª Convenção dos Jacobinos que será realizada no dia 20 Messidor de 218 (3 de julho de 2007).

15 Messidor de 218 (28 de junho de 2007)

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 License